quinta-feira, 23 de março de 2017

No meu copo 591 - Invisível, Aragonês 2013

Ainda na sub-região de Reguengos de Monsaraz, passamos de dois produtores clássicos para um produtor de uma geração mais nova.

A Ervideira foi inovadora em Portugal no lançamento deste branco de tintas como vinho tranquilo (uma vez que, como se sabe, isso é prática comum na produção de espumantes), e mais recentemente na criação de um “vinho de água” que repousa no fundo das águas do Alqueva.

A primeira prova deste Aragonês vinificado em branco mostrou um vinho com um leve rosado e parecendo quase um espumante sem borbulhas. Curiosamente, este foi bebido bastante mais tarde, já com mais de 3 anos depois da colheita. Por essa razão ou não, a verdade é que mostrou-se um vinho com outra personalidade.

Elegante mais estruturado, vivo e com boa acidez na boca, persistente e vibrante, com alguma mineralidade.

Um vinho claramente gastronómico e que é muito mais do que uma simples curiosidade por ser invulgar. Por esta prova mostrou também que é um vinho para guardar algum tempo antes e beber, pois cresce notoriamente na garrafa.

Muito bem conseguido. É mais um para as nossas sugestões.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Invisível, Aragonês 2013 (B)
Região: Alentejo (Reguengos)
Produtor: Ervideira, Sociedade Agrícola
Grau alcoólico: 13,5%
Casta: Aragonês
Preço em feira de vinhos: 8,48 €
Nota (0 a 10): 8

Sem comentários: