terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

No meu copo 583 - Vila dos Gamas (Ato II - A Partida): Master Collection 2014; Antão Vaz 2015

Vidigueira.

Concelho a norte do distrito de Beja, sensivelmente a 2/3 de distância do litoral e 1/3 da fronteira espanhola (em longitude), na transição entre o Baixo e o Alto Alentejo, com o qual confina (em latitude).

Região vitivinícola mais a sul no Alentejo com direito a produção de vinhos com Denominação de Origem Alentejo, abrangendo os concelhos de Alvito, Cuba e Vidigueira, com orientação geográfica transversal, de oeste para leste.

Daqui se diz que é um local de eleição para a produção de vinhos brancos com uma frescura muito particular em relação a outras zonas do Alentejo, devido à influência da serra do Mendro, que marca precisamente a fronteira entre os distritos de Beja e Évora. Segundo o site Vinhos do Alentejo, “as escarpas de orientação este-oeste, com cerca de 50 km de comprimento, condicionam o clima da Vidigueira, convertendo-a, apesar da localização tão a sul, numa das sub-regiões com o clima mais temperado do Alentejo”.

Daqui se diz também que é o berço do Antão Vaz, casta branca que aqui encontra o terroir ideal para se expressar.

Por alguns destes factores, ou por todos eles, nas duas últimas décadas a região viu chegar um conjunto de produtores de renome, ou que aqui construíram o seu próprio nome e o deram a conhecer ao mundo vínico. Empresas como a Sogrape – o maior produtor nacional – que do Douro, Dão e Bairrada se expandiu para sul com a Herdade do Peso, próxima de Pedrógão, Cortes de Cima, Paulo Laureano, António Lança com a Herdade Grande, Herdade do Rocim, Herdade do Sobroso, vieram juntar-se à Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito, que entretanto quase desapareceu do mapa. Lembro-me do Vila dos Gamas e dum quase intragável Navegante...

Desde há alguns anos começaram a surgir nas prateleiras novas referências desta adega, com um sucessivo aumento das marcas disponíveis, o que me levou a adquirir algumas referências para ir experimentando o que há.

Nesta nova etapa, cada marca está associada a um acto, cujo significado não consegui apurar no site da empresa, mas que será mencionado na ficha do vinho.

Já tive oportunidade de provar o Grande Escolha branco e tinto (Ato V: A Decisão); agora coube a vez ao tinto Master Collection e ao branco Antão Vaz (Ato II: a Partida).

O tinto Master Collection apresenta aroma algo discreto a frutos compotados. Na boca é fresco com alguma complexidade, corpo e estrutura medianos e final suave e não muito longo.

Quanto ao branco de Antão Vaz, apresenta-se de cor citrina, aroma a fruta tropical e leves notas minerais. Na boca apresenta-se encorpado e untuoso, com estrutura média e final suave.

São dois vinhos interessantes, embora longe de encantar. Outros se seguirão.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Região: Alentejo (Vidigueira)
Produtor: A. C. Vidigueira, Cuba e Alvito

Vinho: Vila dos Gamas Master Collection (Ato II - A Partida) 2014 (T)
Grau alcoólico: 14%
Castas: Trincadeira, Alicante Bouschet
Preço em hipermercado: 4,99 € (2,49 € em promoção)
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Vila dos Gamas, Antão Vaz (Ato II - A Partida) 2015 (B)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Antão Vaz
Preço em hipermercado: 2,69 €
Nota (0 a 10): 7

Sem comentários: