quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Quinta de Pancas (3ª parte)


(continuação)


Depois da visita à quinta passámos à sala de provas, onde foi efectuada uma apresentação sobre a nova estratégia de gestão, sobre as várias parcelas de vinha e dos tipos de vinhos a que se destinam.

Seguiu-se a parte de prova livre dos vinhos que estavam disponíveis, seguindo-se o almoço.

Dois vinhos da gama de entrada, já referidos em post anterior, estiveram nesta fase, em que a prova foi em crescendo.

Destaque para o Reserva, o Merlot e o Petit Verdot Special Selection, nos tintos, e também um Arinto Reserva nos brancos. Em prova, igualmente ainda sem rótulo, um lote de Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Merlot.

Dentro da vasta gama disponível, os da gama Reserva e Special Selection são, naturalmente, aqueles que mais captam a nossa atenção, mas entre todos os que estava expostos apenas foi possível provar os mencionados.

A Quinta de Pancas, como se sabe, tem uma longa tradição na produção de vinhos na região de Lisboa e, em particular, desde há muitos anos que se destaca pelos seus tintos de Cabernet Sauvignon. No crescimento qualitativo dos vinhos em redor da capital, a Quinta de Pancas sempre foi uma referência no puxar da carruagem da recuperação.

Com os novos moldes e a nova estratégia de gestão, acompanhada da renovação da gama, espera-se que os vinhos da quinta voltem a ter o lugar de destaque que merecem no panorama nacional. Lá em casa há uma referências doutro patamar para provar um dia destes...

Resta acrescentar à equipa da Quinta de Pancas pela simpatia com que nos recebeu, e a toda a organização pelo convite endereçado e pelo acompanhamento em todos os passos desta jornada.

Kroniketas, enófilo viajante

Fotos: Vítor Pires

Sem comentários: