sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

No meu copo 296 - Casa Ermelinda Freitas, Sauvignon Blanc e Verdelho 2010; Invisível, Aragonês 2011

Continuamos na senda dos brancos, com mais duas curiosidades. Voltamos à Casa Ermelinda Freitas para um lote que junta as duas castas da moda referidas no post anterior: o Sauvignon Blanc e o Verdelho. Ao contrário dos anteriores provados a solo, esta mistura das duas castas não me encantou. É um vinho correcto, com frescura e acidez, medianamente frutado, mas algo curto na prova de boca e discreto no aroma. Talvez precise de afinação no lote.

No que respeita ao Invisível, um branco feito a partir da lágrima das uvas tintas do Aragonês vindimadas à noite (um blanc de noirs na melhor tradição do champanhe), uma novidade introduzida há poucos anos no panorama nacional pela Ervideira, foi mais a curiosidade que nos levou a comprar esta garrafa num dia de provas na Delidelux para partilhar pelos habituais comparsas. A cor é, de facto, quase invisível, algures entre o translúcido, o branco e o muito levemente rosado. O aroma anda ali entre  frutos brancos e o floral. Na boca apresenta-se fresco, ligeiramente adocicado e de persistência média. Um dos comparsas provadores comparou-o a um espumante sem gás… Uma experiência interessante que pessoalmente me agradou, e que não me importarei de repetir.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Casa Ermelinda Freitas, Sauvignon Blanc e Verdelho 2010 (B)
Região: Península de Setúbal
Produtor: Casa Ermelinda Freitas
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Sauvignon Blanc e Verdelho
Preço em feira de vinhos: 8,59 €
Nota (0 a 10): 7

Vinho: Invisível, Aragonês 2011 (B)
Região: Alentejo (Reguengos)
Produtor: Ervideira, Sociedade Agrícola
Grau alcoólico: 13,5%
Casta: Aragonês
Preço: 9,70 €
Nota (0 a 10): 7,5

Sem comentários: