quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

No meu copo 276 - Casa Silva Los Lingues Gran Reserva, Cabernet Sauvignon 2005; Quinta de Vale de Fornos Grande Escolha, Cabernet Sauvignon 2006; Porto VZ 10 anos



(continuação)

Finda a prova, rumámos à casa do Politikos. Umas batatas fritas, uns nacos de novilho e uma costeleta do mesmo animal, fritos em azeite, com alho, vinho branco e umas ervas de Provence, à moda do Mancha, que se revelou exímio com a frigideira, foram os comes.

Para os bebes, alinharam dois Cabernet Sauvignon: um Casa Silva los Lingues Gran Reserva 2005 que se revelou muito bom, aromático no nariz, sobressaindo com clareza mas sem excesso o pimento verde característico da casta, e cheio na boca, com frutos vermelhos e no final alguma especiaria. Um puro Cabernet Sauvignon.

Seguiu-se um Quinta de Vale de Fornos Grande Escolha Cabernet Sauvignon 2006, de que francamente gostámos muito menos. Sem estar passado e mostrando um nariz próximo do Casa Silva, defraudou na boca em que se mostrou rústico, com algo de adega e notas herbáceas muito pronunciadas, e porventura já em decadência. Já agradou, sem deslumbrar, em provas anteriores, mas desta vez ficou aquém, possivelmente muito prejudicado por ser servido a seguir ao Casa Silva.

Para sobremesa, um lokum com pistachios, resultado de uma viagem recente do Politikos à Turquia, cujos cubos se revelaram firmes e com todo o seu paladar intacto, resultado da embalagem em vácuo. Finalizámos com um Porto VZ 10 anos, escolha do Kroniketas, que se mostrou fechado e modesto. A escolha do Politikos teria sido um Quinta do Pasadouro Vintage 2000 da Niepoort, com outro perfil, é certo, mas que com certeza teria prestado melhores provas. Depois, ainda estivemos à conversa que esteve boa até quase às 4h00 por entre discos pedidos e recordações em vinil, sobretudo dos anos 80.

E assim, com recordações de tempos antigos, voltámos às lides neste blog após 6 meses exactos de interregno. Não prometemos nada, mas vamos tentar tornar a ser mais regulares, para que o aniversário deste blog, que se aproxima, não venha a ser um obituário...

Politikos e Kroniketas, enófilos monocasta, desta vez com Cabernet Sauvignon

Vinho: Casa Silva Los Lingues Gran Reserva, Cabernet Sauvignon 2005 (T)
Região: Colchagua Valley (Chile)
Produtor: Viña Casa Silva - San Fernando
Grau alcoólico: 14,5%
Casta: Cabernet Sauvignon
Nota (0 a 10): 8

Vinho: Quinta de Vale de Fornos Grande Escolha, Cabernet Sauvignon 2006 (T)
Região: Tejo (Azambuja)
Produtor: Soc. Agric. Vale de Fornos
Grau alcoólico: 13%
Casta: Cabernet Sauvignon
Nota (0 a 10): 6,5

Vinho: Porto VZ 10 anos
Região: Douro/Porto
Produtor: Lemos & Van Zeller
Grau alcoólico: 20%
Nota (0 a 10): 6

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Na Wine O’Clock 8 - Vinhos do Esporão

Uma visita à Wine o’Clock para uma Prova Esporão foi o pretexto para, à última hora, uma fracção do núcleo duro dos Comensais Dionisíacos – composta por Kroniketas, Mancha e Politikos, à qual só faltou (como habitualmente, aliás) o tuguinho – acertar um repasto tardio.
Na Wine o’Clock a prova foi, como se esperava, excelente, passando em revista o portefólio da gama superior do Esporão:
- Esporão Reserva Branco 2009, um vinho moderno e fresco, com uns taninos finais que se sentem mas logo se recolhem;
- Private Selection Branco 2008, um branco de grande nível, complexo, amadeirado; que pode passar por tinto e acompanhar tudo à mesa;
- Quatro Castas Tinto 2009, que nesta colheita mudou o perfil e as castas – agora Alicante Bouschet, Aragonês, Touriga Franca e Touriga Nacional – quase podendo passar por Douro (nós preferimos o antigo, com verdadeiro perfil do Alentejo);
- Esporão Reserva Tinto 2008, um nosso velho conhecido, e que continua um excelente vinho e a dar cartas, numa boa escolha entre custo/qualidade;
- Private Selection Tinto 2007, excelentíssimo, elegantíssimo e complexo, que quase se mastiga, mas que todos nós achámos que para poder ser apreciado na sua plenitude é capaz de ganhar em ser bebido a solo e só com conversa, por se poder perder um pouco com a comida e sobretudo quando servido depois de outros, quando os estômagos já estão saciados e os palatos cansados.
- Rematámos em beleza com um Late Harvest 2009, bem feito e menos enjoativo do que outros que já provámos, sobretudo os do Novo Mundo. Não se aguenta com uma encharcada alentejana ou a acompanhar sobremesas muito doces, mas irá muito bem com uma salada de frutas, gelado ou tarte, por exemplo.
Em suma, a Herdade do Esporão continua a dar cartas.
(continua)

Politikos e Kroniketas, enófilos rendidos ao Esporão

domingo, 6 de junho de 2010

No meu copo 275 - Veuve Clicquot Ponsardin; Quinta de Sant’Ana Sauvignon Blanc 2008; Colares Fundação Oriente branco 2008; Aneto branco 2009

A final da Liga dos Campeões, que (re)consagrou o português José Mourinho e que desta vez teve lugar a um sábado ao final da tarde, foi ouro sobre azul para mais um encontro do núcleo duro dos Comensais Dionisíacos composto por Kroniketas, Mancha, Politikos e tuguinho. Apesar do oiro e do azul, a contenda iniciou-se com uma evocação vermelha, a vitória do Benfica na Super Liga 2009-2010. Resta dizer, para os que ainda não sabem, que no núcleo duro dos Comensais há um empate entre cores: dois vermelhos – Kroniketas e tuguinho – e dois verdes – Mancha e Politikos. Os vermelhos pagaram o champagne, um Veuve Clicquot Ponsardin, com o qual se iniciou a refeição, brindando os primeiros à vitória do SLB e os segundos «à nossa», não sem deixarem de reconhecer com fair-play que o SLB foi um justo vencedor. Fomos debicando umas lascas de presunto e de queijo e ao mesmo tempo beberricando o champagne que se revelou um excelente companheiro das entradas e confirmou as qualidades que já lhe eram conhecidas de outros prélios. É que o champagne vai bem com tudo. Primeiro estranha-se mas depois entranha-se. Bolha fina e persistência na boca fazem deste Veuve Clicquot sempre uma boa escolha.

O tempo estava quente, pelo que se havia acertado previamente uma refeição só com brancos. Alinharam à mesa: um William Fevre Sauvignon Blanc 2004, um Quinta de Sant’Ana Sauvignon Blanc 2008, um Colares D.O.C. Fundação Oriente 2008 e um Aneto 2009.

O primeiro a vir à liça, o William Fevre Sauvignon Blanc 2004, estava passado, pelo que foi de imediato dispensado. Acontece algumas vezes, felizmente poucas. O vinho é um produto orgânico, um ser vivo, que vive, cresce e morre. E este, ainda que anteriormente provado com excelentes resultados, já havia dado a alma ao Criador!

Passámos ao segundo, uma aquisição muito recente e que nem sequer chegou a ganhar pó na garrafeira comunitária, o Quinta de Sant’Ana Sauvignon Blanc 2008, que se revelou de grande qualidade. É um vinho regional da Estremadura, proveniente da Quinta de Sant’Ana, na aldeia do Gradil, perto de Mafra. Apresenta-se com uma cor dourada, fresco e mineral no nariz, com ligeiro toque floral. Na boca, mostra uma estrutura média, uma acidez domada e no ponto e uma assinalável persistência. Algumas notas vegetais no palato conferem-lhe alguma diferença em relação a outros brancos. Não conhecíamos e foi uma agradável surpresa, das melhores da noite. Tanto que lhe atribuímos a melhor das notas: 8,5. O rótulo e o logótipo da Quinta sendo simples e depurados são também elegantes, como o vinho, aliás. Roupa e produto casam assim na perfeição.

Importa dizer que este e os outros que se lhe seguiram tiveram de se bater com um arroz de tamboril muito malandrinho e caldoso confeccionado por mestre Mancha, com o qual procuramos mostrar-nos menos carnívoros do que habitualmente. E já que estávamos na Estremadura, passámos, sem fugir muito, a um Colares D.O.C. Fundação Oriente 2008, um vinho produzido em chão de areia. Apresenta uma cor de água, quase transparente no copo e um aroma de grande frescura, com notas vegetais. Na boca apresenta-se algo delgado, alguma acidez e um final de boca curto. É um vinho diferente, mais suave, mesmo na graduação alcoólica, 12,5º, com alguma personalidade, não deixando de ser gastronómico, recomendável para pratos simples e despretensiosos.

O último a tomar assento à mesa foi o Aneto 2009, um blend que combina as castas Viosinho, Rabigato, Gouveio e Malvasia Fina. É um vinho pujante nos aromas a fruta tropical. No contra-rótulo não se refere a permanência em cave e por consequência em madeira, mas mesmo assim mostra estrutura, carácter e complexidade. A acidez está lá mas não em excesso, o que muitas vezes descaracteriza os brancos. É claramente uma boa aposta para branco e com uma boa relação preço/qualidade. De notar que o enólogo deste vinho, Francisco Montenegro, é o mesmo do Bétula, de que tivemos oportunidade de degustar duas garrafas generosamente oferecidas pelo produtor, e que muito nos agradaram tal como este Aneto.

No final, fechámos a refeição com a já tradicional mousse de chocolate preto com natas, decoradas com granulado de chocolate, e os mais aficionados das bebidas brancas ainda encontraram espaço para um golinho de uma aguardente húngara de nome Meggy feita a partir de cerejas ou ginjas. Suave e macia e com a cereja/ginja muito presente no nariz e na boca. Uma boa aposta em matéria de aguardentes. Para os interessados, o Mancha, que é fã de bebidas brancas, comprou-a no El Corte Inglés.

Politikos e Kroniketas, enófilos desta vez numa de brancos

Vinho: Veuve Clicquot - Champagne Brut (B)
Nota (0 a 10): 9

Vinho: Quinta de Sant’Ana, Sauvignon Blanc 2008 (B)
Região: Lisboa (Torres Vedras)
Produtor: Quinta de Sant’Ana do Gradil
Grau alcoólico: 13,5%
Casta: Sauvignon Blanc
Preço: 16,45 €
Nota (0 a 10): 8,5

Vinho: Colares Fundação Oriente 2008 (B)
Região: Colares
Produtor: Quinta das Vinhas de Areia, Soc. Agrícola
Grau alcoólico: 12,5%
Castas: não mencionadas
Preço: 14,35 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Aneto 2009 (B)
Região: Douro
Produtor: Sobredos - Produção e Comércio de Vinhos
Grau alcoólico: 13%
Castas: Viosinho, Rabigato, Gouveio, Malvasia Fina
Preço : 11,60 €
Nota (0 a 10): 8

quinta-feira, 20 de maio de 2010

No meu copo 274 - Douro Sogrape Reserva 2002; Casa de Santar Reserva 2005

(continuação)

Já com o almoço, composto por uns bifinhos de carne Angus à moda do Kroniketas passada no ponto, acompanhados por batatas fritas, tomaram assento à mesa os tintos em prova paralela com os quais fomos acompanhando a carne. O Douro Sogrape Reserva 2002, velho conhecido das nossas lides, cumpriu com brilhantismo a função, como aliás se esperava. É um daqueles jogadores que não sabe jogar mal e uma aposta segura para qualquer treinador. No copo mostrou uma cor granada límpida e no palato apresentou-se encorpado, pujante para a idade que tem e persistente na boca. Simultaneamente, os seus taninos, arredondados pela idade, conferem-lhe elegância e distinção. Bebeu-se agora mas poderia seguramente ficar mais uns anos que iria adquirir charme sem decair. Aliás, vai ficar, porque a garrafeira do Kroniketas tem lá mais de uma dúzia... São os restos desta excelente colecção de Reservas que a Sogrape detinha até há pouco tempo, com produções no Douro, Dão, Bairrada e Alentejo, e que tantas belas provas nos proporcionaram durante muitos anos.

Deixámos para o fim o Casa de Santar Reserva 2005, também um velho conhecido das nossas garrafeiras, que claramente nos convenceu. Apesar de ser um vinho de 2005, apresentou-se no copo com uma cor algo acobreada. Inicialmente fechado no nariz e algo concentrado na boca, foi evoluindo ao longo da refeição. Fomos conversando entre nós mas também com ele, como um velho amigo que se reencontra e com o qual vamos engrenando a conversa. Foi-nos evocando no nariz adegas velhas e vinhos antigos e na boca apresentou-se estruturado e elegante, sem, contudo, perder a personalidade típica do Dão. Um Dão clássico que, pela maior elegância, agradou mais ao Politikos do que um Cabriz Reserva 2006 bebido recentemente. A recuperar e confirmar as impressões de ambos em prova comparada num destes dias, à semelhança de experiências anteriores.
Um gelado de natas coberto com chocolate quente fechou a contenda com chave de ouro.

Politikos e Kroniketas, enófilos em libações intercalares por via da visita papal

Vinho: Douro Sogrape Reserva 2002 (T)
Região: Douro
Produtor: Sogrape Vinhos
Grau alcoólico: 13%
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca
Preço: 10,98 €
Nota (0 a 10): 8,5

Vinho: Casa de Santar Reserva 2005 (T)
Região: Dão
Produtor: Sociedade Agrícola de Santar - Dão Sul
Grau alcoólico: 14%
Castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro
Preço em feira de vinhos: 8,97 €
Nota (0 a 10): 8

terça-feira, 18 de maio de 2010

No meu copo 273 - Pampas del Sur Reserva, Viognier 2008; Herdade do Perdigão Reserva branco 2007

A tolerância de ponto concedida por ocasião da visita do Papa Bento XVI proporcionou um almoço intercalar, a meio da semana, de dois dos convivas dos Comensais Dionisíacos, a saber Kroniketas e Politikos. Os dois comensais faltosos do núcleo mais restrito foram-no por razões devidamente justificadas: um estava ausente em trabalho em terras de Sua Majestade e o outro tinha umas questões domésticas inadiáveis. O repasto, que decorreu em horário já andado na tarde, foi acompanhado por 2 brancos e 2 tintos. Nos brancos tivemos um argentino de nome Pampas del Sur Reserva, Viognier 2008, acompanhado de um Herdade do Perdigão Reserva 2007. E nos tintos um Douro Sogrape Reserva 2002 e um Casa de Santar Reserva 2005, ambos da garrafeira do Kroniketas, de que falaremos no próximo post. Para descanso das mentes mais estatísticas e com maior propensão para as contas de cabeça, sobrou por grosso meia garrafa de cada, sendo que o Herdade do Perdigão já estava aberto e apenas lhe demos uns goles para comparação.

Para iniciar a conversa com umas lascas de presunto, avançou o Pampas del Sur Reserva, Viognier 2008 que se revelou competente sem brilhar. É um vinho simples e despretensioso. Apresenta uma estrutura média, frutado, com alguma mineralidade e com uma adequada acidez. No início estava um pouco fresco demais, o que o fechou mais no nariz e na boca, mas à medida que a temperatura subia foi-se mostrando. Cumpriu o que se espera de um branco honesto do Novo Mundo, sem deslumbrar.

Uns goles de Herdade do Perdigão Reserva 2007 que o Kroniketas tinha aberto permitiram-nos uma comparação entre brancos que se revelou desigual. É que este alentejano parece querer ombrear com o excelente tinto da Casa! É um vinho que põe em cima da mesa simultaneamente a madeira, resultado do envelhecimento de 6 meses em barricas de carvalho francês, e a fruta, num conjunto de irrepreensível equilíbrio. Aromático, controlado na acidez, foge seguramente aos normais brancos alentejanos um pouco mais agrestes. Estamos, sem dúvida, perante um exemplo do que de melhor é possível fazer com brancos no Alentejo… Não esquecer que este não é propriamente um branco da planície mas das terras mais altas, situadas nas proximidades de Portalegre, o que lhe permite apresentar uma frescura pouco usual nos vinhos das terras mais quentes a sul.
(continua)

Politikos e Kroniketas, enófilos em libações intercalares por via da visita papal

Vinho: Pampas del Sur Reserva 2008 (B)
Região: Mendoza (Argentina)
Produtor: Premier - Mendoza
Grau alcoólico: 13,5%
Casta: Viognier
Preço: 4,75 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Herdade do Perdigão Reserva 2007 (B)
Região: Alentejo (Monforte - Portalegre)
Produtor: Herdade do Perdigão
Grau alcoólico: 13%
Casta: Antão Vaz
Preço: 10,78 €
Nota (0 a 10): 8

domingo, 2 de maio de 2010

No meu copo 272 - Os brancos da Casa Santos Lima

Arinto 2008; Fernão Pires 2008; Sauvignon Blanc 2008


Após um interregno de quase dois meses devido a afazeres diversos (cada vez temos menos vida para isto, mas lá vamos tentando manter a chama acesa…), voltamos à Estremadura para falar de 3 brancos da Casa Santos Lima, uma estreia nas nossas provas aqui nas Krónikas.

A Casa Santos Lima, situada na zona de Alenquer entre Sobral de Monte Agraço e a Merceana, é uma das que têm continuado a apostar nos vinhos monocasta, mesmo depois do decréscimo da moda deste tipo de vinhos que teve o seu grande incremento na década de 90. Ainda há algumas semanas, no programa “A hora de Baco” (RTP N) um dos seus responsáveis realçava que esta empresa é provavelmente a que tem maior variedade de vinhos monocasta no seu portefólio, quer em brancos quer em tintos, até em castas que não se vêem noutros produtores.

Neste caso tivemos oportunidade de provar o Arinto, o Fernão Pires e o Sauvignon Blanc. Não consigo destacar nenhum deles, pois todos me agradaram, dentro das suas características próprias.

O Arinto mostra aquela secura e acidez tão típicas da casta e que se destacam sobretudo na Estremadura, resultando num vinho de grande frescura. O Fernão Pires apresenta-se um pouco mais estruturado e floral, também com alguma frescura, intensidade aromática e boa acidez. Finalmente, o Sauvignon Blanc mostra a suavidade e elegância habituais e um toque mais adocicado.

No conjunto, três vinhos agradáveis e fáceis de beber, para pratos não muito exigentes em termos de tempero, e que são uma excelente aposta até para o dia-a-dia por um preço praticamente imbatível. Pelo que custam são muito melhores do que se poderia supor.

Kroniketas, enófilo cansado

Região: Lisboa (Alenquer)
Produtor: Casa Santos Lima

Vinho: Casa Santos Lima, Arinto 2008 (B)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Arinto
Preço: 2,65 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Casa Santos Lima, Fernão Pires 2008 (B)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Fernão Pires
Preço: 2,79 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Casa Santos Lima, Sauvignon Blanc 2008 (B)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Sauvignon Blanc
Preço: 2,52 €
Nota (0 a 10): 7,5

segunda-feira, 8 de março de 2010

No meu copo 271 - Porta da Ravessa branco 2008

E agora algo completamente diferente. Um branco simples, barato e despretensioso. Não tinha grandes expectativas mas acabou por ser uma surpresa agradável, pois este Porta da Ravessa branco revelou-se bem melhor do que eu estava à espera.

Apresentou cor citrina e algumas notas limonadas a marcarem o aroma, boca leve e fresca e boa acidez a dar equilíbrio ao conjunto, certamente devido à introdução do Arinto no lote. Acompanhou bem um peixe assado no forno. Tendo em conta o preço, até não se saiu nada mal.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Porta da Ravessa 2008 (B)
Região: Alentejo (Redondo)
Produtor: Adega Cooperativa de Redondo
Grau alcoólico: 12,5%
Castas: Roupeiro, Arinto, Fernão Pires
Preço em feira de vinhos: 1,98 €
Nota (0 a 10): 6

quinta-feira, 4 de março de 2010

No meu copo 270 - Vinha da Nora 2005

Nem de propósito: o último programa A Hora de Baco, transmitido no passado fim-de-semana (e a nossa querida RTP continua na prática ancestral de mudar constantemente o horário dos programas sem aviso prévio), esteve à conversa com José Bento dos Santos na Quinta do Monte d’Oiro, onde o produtor falou dos seus vinhos, da nova imagem dos rótulos do vinho, sobre as tendências actuais da culinária e do vinho e deu mais uma magistral lição de ligações entre o vinho e a comida.

Por coincidência, há poucos dias eu tinha provado a última colheita do Vinha da Nora, talvez o vinho emblemático da casa. Nas anteriores colheitas já era feito exclusivamente com Syrah mas só agora a casta teve direito a menção específica no rótulo.

Tal como das duas vezes anteriores, ficou-me a sensação (e ocorreu-me novamente a mesma expressão) de estar perante um vinho aristocrático. É duma suavidade extrema, elegante sem deixar de ser bem estruturado e persistente, com notas de fruta madura e compotas, adequado para pratos requintados.

A primeira vez que ouvi falar do Vinha da Nora foi há bastantes anos num debate na RTP, em que foi referido que era o vinho recomendado num dos melhores restaurantes de Paris. Provando-o percebe-se porquê. E o preço é bastante convidativo, pelo que é um vinho sempre a revisitar.

Curiosamente, no portefólio de vinhos apresentado este não foi referido. Será para desaparecer? Esperemos que não.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Vinha da Nora 2005 (T)
Região: Lisboa (Alenquer)
Produtor: José Bento dos Santos - Quinta do Monte d’Oiro
Grau alcoólico: 14%
Casta: Syrah
Preço em feira de vinhos: 9,24 €
Nota (0 a 10): 8,5

sábado, 27 de fevereiro de 2010

No meu copo 269 - Os Follies da Aveleda

Alvarinho 2006; Alvarinho 2007; Alvarinho-Loureiro 2008; Loureiro-Trajadura 2007; Chardonnay-Maria Gomes 2006




A Quinta da Aveleda é conhecida desde há muito pelos seus vinhos verdes, de que o mais conhecido é um branco de combate com o nome da Quinta que se bebe com facilidade. Por altura da Expo 98, um dos pavilhões presentes no certame era do G7, que englobava as 7 maiores empresas vinícolas do país, uma das quais era a Aveleda.

Nos últimos anos a empresa alargou o leque de produtos a partir do conceito de Follies, que foi buscar à arquitectura. Segundo a informação do site da empresa, “a Folly coincide com uma estrutura decorativa, não funcional, excêntrica e simbólica, erguida por alguém que se alimenta pela simples paixão de construir.

Assim, foram lançados brancos e tintos de várias regiões do país que celebram, através de cada um dos seus rótulos, as Follies da Aveleda, dos quais já tivemos oportunidade de provar alguns brancos.

Começamos pelos Alvarinhos, cuja Folly é a Fonte das Quatro Irmãs. Voltando à informação constante no site, “a Fonte das Quatro Irmãs representa a dinâmica da Vida em constante mutação, o fim que retorna ao princípio, renascendo para uma dimensão nova. Erguida na década de 1920, a fonte foi finalizada pelo Mestre João da Silva ao gravar nela os perfis em mármore das quatro irmãs Guedes, filhas do proprietário da Quinta, Fernando Guedes da Silva da Fonseca. Cada Senhora personifica uma das Quatro Estações do ano ou, noutra perspectiva, as diversas fases na dança perpétua da vinha e do vinho, sempre igual mas simultaneamente sempre diferente.

Dos Alvarinhos já tivemos a oportunidade de provar o 2006 e o 2007. Não se nota grande diferença entre as colheitas. Trata-se de um vinho bem estruturado e muito equilibrado, que prima pela elegância, com a acidez característica dos Alvarinhos e boa intensidade aromática. Mais um bom Alvarinho para juntar a outros recomendáveis.

Temos em seguida duas combinações de Loureiro com outra casta, representados por uma janela manuelina do século XVI. Passemos à História: “Foi numa casa da Ribeira, no Porto, que a Rainha D. Filipa de Lancastre deu à luz o seu filho Infante D. Henrique, o mesmo local onde muitos reis haviam pernoitado aquando das suas visitas à cidade Invicta. Havia uma janela especial onde, segundo a tradição, D. João IV terá sido aclamado Rei de Portugal. A janela foi doada, mais tarde, a Manoel Pedro Guedes da Silva da Fonseca, que a transportou para os jardins da Quinta da Aveleda, sua propriedade.

O Alvarinho-Loureiro de 2008 apresenta-se com aroma intenso, elegante e com final prolongado, com aquele perfil arredondado e a frescura do Loureiro, uma casta que não costuma ser muito badalada na região dos Vinhos Verdes mas que nos últimos anos tem vindo a ser cada vez mais valorizada. Temos aqui, sem dúvida, um bom casamento com o Alvarinho.

Noutra combinação surge um lote Loureiro-Trajadura de 2007, menos exuberante no aroma mas igualmente muito fresco e apelativo. Menos encorpado, não deixa de ser um vinho bastante agradável que se recomenda para refeições de Verão.

Da região dos Vinhos Verdes passamos agora para a Bairrada, donde vem um lote de Chardonnay e Maria Gomes, representado pela Torre das Cabras. “Numa ode à natureza e às antigas gerações da Quinta da Aveleda, foi edificada uma torre de três andares, com uma rampa em espiral de madeira para albergar cabras anãs. Símbolo da fertilidade e da abundância, a cabra protagoniza o mito de uma terra que soube sempre dar o seu melhor fruto.

Este Chardonnay-Maria Gomes de 2006 acabou por ser o mais surpreendente de todos estes brancos, e aquele de que mais gostei. Tem perfil para pratos de peixe mais exigentes que os outros brancos, pois apresenta uma boa estrutura na boca, final persistente e delicado e muito equilíbrio. Fermentado em cascos de carvalho, o Chardonnay aparece bem contrabalançado pela Maria Gomes que dá ao conjunto um toque mais floral e aromático que contraria a habitual untuosidade do Chardonnay. Um bom branco de Inverno.

E assim terminamos este primeiro périplo pelos Follies da Aveleda, deixando já na calha futuras visitas aos tintos e às novas colheitas de brancos que for possível encontrar. Não são vinhos que se vejam muito à venda e estes brancos agora provados foram quase todos encontrados no Verão passado numa garrafeira de Alvor, contando com a prestimosa colaboração do confrade Politikos que assegurou a aquisição e o transporte dos mesmos. A excepção foi o Alvarinho-Loureiro, adquirido com a Revista de Vinhos de Julho de 2009.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Produtor: Sociedade Agrícola e Comercial Quinta da Aveleda

Vinho: Follies, Alvarinho 2006 (B)
Região: Vinhos Verdes
Grau alcoólico: 12,5%
Casta: Alvarinho
Preço em feira de vinhos: 6,72 €
Nota (0 a 10): 8

Vinho: Follies, Alvarinho 2007 (B)
Região: Vinhos Verdes
Grau alcoólico: 12,5%
Casta: Alvarinho
Preço: 8,99 €
Nota (0 a 10): 8

Vinho: Follies, Alvarinho-Loureiro 2008 (B)
Região: Regional Minho
Grau alcoólico: 12%
Castas: Alvarinho, Loureiro
Preço com a Revista de Vinhos: 5,95 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Follies, Loureiro-Trajadura 2007 (B)
Região: Vinhos Verdes
Grau alcoólico: 11,5%
Castas: Loureiro, Trajadura
Preço: 5,19 €
Nota (0 a 10): 7

Vinho: Follies, Chardonnay-Maria Gomes 2006 (B)
Região: Bairrada
Grau alcoólico: 13%
Castas: Chardonnay, Maria Gomes
Preço: 5,19 €
Nota (0 a 10): 8

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

No meu copo 268 - Cono Sur, Pinot Noir 2007

Numa incursão à Wine o’Clock de uma pequena delegação da comunidade de eméritos bebedores de Os Comensais Dionisíacos, comprei – comprámos que o Kroniketas também levou uma para ele – um Pinot Noir 2007 da conhecida empresa chilena Cono Sur. Sendo adepto e consumidor frequente de alguns dos vinhos daquela casa, designadamente do Cono Sur Cabernet Sauvignon, cuja relação preço-qualidade reputo de muito boa, a aquisição para prova e primeira experiência do Pinot Noir revelou-se natural. Quando peguei na garrafa, porém, e mesmo perante o vidro escuro, o vinho pareceu-me ter uma tonalidade aclarada de mais, porventura mais perto de um rosé do que de um tinto. Razão pela qual as expectativas ficaram desde logo colocadas numa fasquia baixa. É sobretudo por outras, mas também por estas, que se fazem provas em copos opacos. Sem desvalorizar o facto de que o contacto visual com o vinho nos pode fornecer de imediato uma ideia da limpidez/ausência de turvação, do unto e do corpo do vinho, o facto é que por vezes, como neste caso, nos faz baixar injustamente as expectativas, condicionando a avaliação.

Esforçando-me para pôr de lado este preconceito, posso dizer que, fora disso, o Pinot Noir passou a prova. Na boca revela uma nota predominante a frutos vermelhos, amora e framboesa. O corpo é mediano. A acidez é equilibrada e os taninos estão muito mas mesmo muito arredondados, o que é uma marca distintiva dos vinhos daquelas paragens e uma das razões do seu sucesso. É que de tão redondos, são vinhos que fazem facilmente o pleno de opiniões favoráveis sobretudo em refeições familiares e de amigos mais ou menos apreciadores de vinho. É, pois, um vinho sem arestas, mas longe de ser liso. Tem alguma persistência na boca onde depois da fruta ficam com razoável permanência alguns tostados e algum especiado. A mim agradou-me. Cumpriu plenamente o que dele se exigia em termos de custo-qualidade. É, por isso, a juntar ao Cabernet Sauvignon daquela Casa, uma escolha a repetir para consumo frequente.

Politikos, enófilo amador e apreciador dos vinhos do Novo Mundo

Vinho: Cono Sur, Pinot Noir 2007 (T)
Região: Central Valley (Chile)
Produtor: Cono Sur Vineyards & Winery - Santiago
Grau alcoólico: 14%
Casta: 100% Pinot Noir
Preço: 4,95€
Nota (0 a 10): 7,5

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

No meu copo 267 - Domingos Soares Franco Colecção Privada: Verdelho branco 2008; Moscatel Roxo rosé 2008



Domingos Soares Franco (DSF) tem sido um precursor e um inovador no estudo das castas portuguesas. Nas vinhas plantadas na Quinta de Camarate, que acolhe uma colecção ampelográfica de cerca de 500 castas, o enólogo-chefe e vice-presidente da empresa José Maria da Fonseca – produtora do vinho de mesa mais antigo em Portugal, o Periquita, criado em 1850 – tem levado a cabo amplas experiências na caracterização de inúmeras castas, aproveitando os conhecimentos adquiridos para a modelagem dos seus vinhos.

Foi um dos primeiros a introduzir a minhota Alvarinho no sul do país, introduziu o Verdelho, juntamente com aquela, no Quinta de Camarate branco seco e recuperou o quase desaparecido Moscatel Roxo.

É precisamente de duas destas castas que falamos agora, a propósito dum branco de Verdelho e dum rosé de Moscatel Roxo. No contra-rótulo das garrafas, Domingos Soares Franco conta em poucas palavras as motivações que o levaram a criar estes dois monocastas que incluiu numa nova linha que baptizou como Colecção Privada. O Verdelho, casta branca até há poucos anos quase só conhecida na Madeira, já chegou à Austrália e foi lá que DSF encontrou o estilo que mais lhe agradou para moldar este excelente branco. Marcadamente seco e aromático, com boa persistência e algumas notas cítricas, revelou-se um excelente companheiro de mesa para pratos requintados de peixe mas também para acompanhar uns acepipes de entrada ou ser bebido a solo.

Quanto ao rosé de Moscatel Roxo, apareceu pela primeira vez na colheita de 2007, causando alguma celeuma pela utilização duma casta quase esquecida e mais habitual no Moscatel de Setúbal para elaboração de um rosé, que como se sabe ainda é um tipo de vinho mal-amado em Portugal. A verdade é que logo no primeiro ano o sucesso foi tal que o vinho desapareceu rapidamente do mercado.

Devo dizer, no entanto, que este não me encheu as medidas como o Verdelho. É um rosé com uma cor salmão desmaiada, leve como me agrada num rosé mas achei-lhe falta de mais algum corpo e estrutura. Curiosa a descrição do contra-rótulo, referindo a “fineza e exuberância aromática das flores de jasmim”. É recomendado para refeições ligeiras ou pratos orientais, mas parece ser mais adequado para beber no Verão como aperitivo do que para acompanhar a refeição.

De qualquer modo, com sensações diferentes causadas por estes dois vinhos originais, não deixa de ser uma experiência que vale a pena. E no caso do Verdelho, fiquei fã incondicional.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Região: Terras do Sado
Produtor: José Maria da Fonseca Vinhos

Vinho: Domingos Soares Franco Colecção Privada, Verdelho 2008 (B)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Verdelho
Preço em feira de vinhos: 7,95 €
Nota (0 a 10): 8,5

Vinho: Domingos Soares Franco Colecção Privada, Moscatel Roxo 2008 (R)
Grau alcoólico: 13%
Casta: Moscatel Roxo
Preço: 10,95 €
Nota (0 a 10): 7

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

No meu copo 266 - Periquita branco 2008


Na linha duma certa renovação que a José Maria da Fonseca tem vindo a empreender na sua gama de vinhos, ao clássico Periquita tinto - a marca de vinho mais antiga produzida em Portugal - juntou-se o Periquita rosé e também este Periquita branco, que alarga o portefólio de brancos onde se incluem o Quinta de Camarate seco e doce, o BSE, o Pasmados e mais recentemente um Verdelho monocasta.

O Periquita branco, seguindo uma certa linha da casa, é um vinho eminentemente fresco e com boa acidez, uma certa leveza e boa intensidade aromática, resultando num bom casamento do tradicional Moscatel com o indispensável Arinto, com a frescura e acidez deste a equilibrar a maior doçura daquele.

Um bom branco para acompanhar pratos leves de peixe ou entradas, ou mesmo para funcionar como aperitivo. Mais uma boa aposta do enólogo Domingos Soares Franco, na linha de outras de que falaremos proximamente.

Kroniketas, enófilo esclarecido


Vinho: Periquita 2008 (B)
Região: Terras do Sado
Produtor: José Maria da Fonseca Vinhos
Grau alcoólico: 12%
Castas: Moscatel, Arinto
Preço em feira de vinhos: 3,69 €
Nota (0 a 10): 7

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

No meu copo 265 - Champanhe Germain Brut Réserve



De vez em quando sabe bem variar, e pelo menos uma vez por ano é altura de experimentar champanhes e espumantes.

O ano passado, na época das compras, resolvi provar um champanhe que estava a um preço um pouco inferior ao habitual. Chama-se Germain Brut e é produzido a partir de três castas, com mistura de brancas (Chardonnay) e tintas como acontece frequentemente.

Este não fugiu muito do habitual, embora estivesse alguns furos abaixo de outros como o Veuve Clicquot, que é escolha habitual. Com bolha fina e elegante na boca, aroma frutado não muito exuberante, boa persistência, cumpriu o que se esperava dum champanhe genuíno.

Tendo em conta o preço não fiquei mal servido.

Kroniketas, enófilo borbulhante


Vinho: Germain Champagne Brut Réserve (B)
Região: Champagne (França)
Produtor: Champagne Vranken - Tours-sur-Marne
Grau alcoólico: 12%
Castas: Pinot Noir, Pinot Meunier, Chardonnay
Preço em feira de vinhos: 26,90 €
Nota (0 a 10): 8,5

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

No meu copo 264 - Cabriz Reserva 2004

Já se tornou um clássico nas nossas escolhas, a par do Casa de Santar Reserva. Este Reserva da Dão Sul é um dos bons exemplos do que pode ser um vinho de qualidade acima da média por um preço que não escalda.

Esta colheita de 2004 foi degustada precisamente em pendant com o exemplar restante do Casa de Santar Reserva 2003, já aqui anteriormente apreciado. É uma prova que vale a pena fazer para comparar o perfil de dois vinhos com algumas semelhanças mas com diferenças evidentes.

Nesta prova comparada o Cabriz Reserva mostrou-se um pouco mais robusto, como seria de esperar, mas sem deixar de ser elegante. Muito frutado com predominância de frutos vermelhos e flores silvestres, com final persistente e um toque a especiarias. O Casa de Santar Reserva mostrou-se ainda em grande forma mas com mais elegância e um bouquet mais profundo.

Foram servidos a acompanhar umas deliciosas costeletas de borrego grelhadas e quer um quer outro saíram-se muito bem da contenda. Vale a pena comprar e recomprar, porque são daqueles vinhos para os quais uso uma frase que gosto de repetir: nunca nos deixam ficar mal.

Kroniketas, fã do Dão e da Dão Sul

Vinho: Cabriz Reserva 2004 (T)
Região: Dão
Produtor: Dão Sul
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Touriga Nacional, Alfrocheiro, Tinta Roriz
Preço em feira de vinhos: 6,95 €
Nota (0 a 10): 8

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

No meu copo 263 - Quinta de Pancas 2007


Uma nova versão para a gama de entrada dum clássico da Quinta de Pancas, agora propriedade da Companhia das Quintas, que desde que tomou conta da produção de Pancas renovou o portefólio da casa, agrupando os seus vinhos numa designação comum chamada “The Quinta Collection”.

Ao tradicional Cabernet Sauvignon juntaram-se neste Quinta de Pancas “simples” a Touriga Nacional e o Alicante Bouschet. Sem ter as mesmas pretensões do ícone da casa, não deixa de ser um vinho bem elaborado e estruturado, com aroma frutado e algumas notas de compota e especiarias, suave na boca e com final persistente. Estagiou 9 meses em carvalho francês e apresenta a madeira bem integrada e discreta conferindo alguma complexidade ao conjunto.

Tratando-se de um vinho de combate, parece-me bem posicionado para ter sucesso nesta gama e bater-se com os campeões de vendas de outras casas. Merece entrar nas nossas escolhas.

Kroniketas, enófilo recatado


Vinho: Quinta de Pancas 2007 (T)
Região: Lisboa (Alenquer)
Produtor: Quinta de Pancas - Companhia das Quintas
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Alicante Bouschet
Preço em feira de vinhos: 3,49 €
Nota (0 a 10): 7,5

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

No meu copo 262 - Dona Ermelinda 2006

Não temos passado muito pelos vinhos desta produtora, que estão um pouco na moda, principalmente desde que um Syrah de 2005 ganhou um primeiro prémio num concurso mundial (o que levou logo a uma extrapolação exagerada para expressões como “o melhor vinho do mundo”!). Como não podemos ir a todas, mesmo que quiséssemos, acabamos por ir dando mais atenção a outros produtores, mas chega sempre a ocasião em que a ocasião chega.

Um dia destes tive oportunidade de almoçar com um amigo num restaurante já aqui referido, o Estrela do Bico, em Massamá, onde a carta de vinhos não é muito vasta e por isso as opções também não permitem grande criatividade. Como lá estava o vinho da Ermelinda, resolvi experimentá-lo com os habituais bifinhos.

Tinha mais curiosidade do que expectativas, por falta de referências. Mas o vinho saiu-se bem na prova. Estando posicionado na gama dos vinhos próximos dos 4 €, cumpriu o que se esperava. Encorpado e aromático quanto baste, de cor carregada e aroma predominante a fruto maduro, madeira discreta (6 meses de estágio) e bem casada, final com boa persistência, é um vinho bem feito e que tem tudo para agradar à primeira (sem encantar) e que pode ser competitivo nesta gama. Pelo preço que custa, é um dinheiro que se pode considerar bem empregue. O mesmo se pudesse dizer dos que foram referidos no post anterior.

Kroniketas, enófilo em recolha de inverno

Vinho: Dona Ermelinda 2006 (T)
Região: Terras do Sado (DOC Palmela)
Produtor: Casa Ermelinda Freitas
Grau alcoólico: 13,5%
Casta: Castelão
Preço em feira de vinhos: 3,49 €
Nota (0 a 10): 7

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Seis Reis sem coroa




Ao repasto no São Rosas seguiu-se a visita ao Monte Seis Reis, uma herdade próxima de Estremoz, situada na estrada para Sousel e logo a seguir à Quinta da Esperança, onde são produzidos os vinhos Encostas de Estremoz.

O Monte, adquirido em 1997, tem cerca de 50 hectares, 30 de sobreiro, 8 de uva tinta e 4 de uva branca, em solos de xisto e argila, tendo produção própria de vinho desde 2003. Chegados à recepção, onde se pode adquirir uma grande variedade de produtos da casa e da região, foi-nos proporcionado, juntamente com outros visitantes, um circuito pela adega, sala de barricas e museu, onde estão expostos utensílios agrícolas, objectos, fotografias e quadros evocativos da história e do fabrico do vinho e da região, bem como dos seis reis que deram o nome ao Monte. Em anexo, uma galeria de arte moderna procura conferir maior densidade cultural ao espaço.

O projecto, integrado e claramente pensado também para o enoturismo, está globalmente bem conseguido. Na adega, um varandim permite uma panorâmica global sobre toda a adega, valorizada pelo facto de a vista ser feita de uma cota superior. Um placard explicativo das diversas fases do fabrico do vinho permite-nos perceber como se desenrola todo o processo. O museu, com uma forte componente visual, muito ilustrado com fotografias e desenhos, onde até nem falta um mapa das regiões vitivinícolas, tem também esta interessante componente pedagógica, ilustrando não só as diferentes fases da produção do vinho, mas também a sua história e a da região. Numa sala anexa, um vídeo complementa a visita antes da prova. Já a galeria de arte, pelas peças expostas e pela organização do espaço, nos parece algo pífia, prometendo mais do que pode dar.

Passámos, finalmente, à sala de degustação, um espaço amplo, com uns balcões que permitem o convívio e a explicação à volta do que se vai bebendo e de cujas janelas se vislumbram os vinhedos em redor. Uma sala de jantar anexa permite ainda a realização de festas e eventos. Aí foram-nos postos à disposição um branco, um rosé e quatro tintos: Boa Memória (branco e tinto), Monte Seis Reis Rosé, Bolonhês, Monte Seis Reis Touriga Nacional e Monte Seis Reis Syrah. O Reserva, apesar das insistências do grupo junto da guia, não foi provado.

Aqui, porém, começou a parte negativa, porque os vinhos manifestamente não nos convenceram. Desde o tinto mais barato (4,50 €) ao mais caro (25 €), achámos todos inflacionados para a qualidade que apresentam. Por menos de 4,50 € compra-se vinho bem melhor em Portugal, nomeadamente o Cabriz e o Casa de Santar, já para não falar em muitos outros a começar, e porque estamos no Alentejo, no Monte Velho.

Fomos por aí acima nos diversos patamares e sempre que nos era dito o preço de um vinho imediatamente me ocorriam meia dúzia deles muito melhores. Nos 10, nos 15 ou nos 25 €, nenhum fez jus ao preço que apresenta. Talvez, se reduzissem os preços para metade, os vinhos ficassem posicionados no escalão que realmente merecem.

Como balanço final, distinguimos duas partes: o merchandising e os produtos. A primeira, englobando loja, adega, museu, galeria de arte e acolhimento, merece uma nota francamente positiva. A segunda, o produto, afinal aquilo que mais interessa, atentos os preços, fica-se apenas pelo sofrível. E é pena porque o lugar e todo o projecto mereciam que os vinhos que dali saem estivessem à altura.

Kroniketas e Politikos, visitantes decepcionados

Sociedade Agrícola Monte Seis Reis Vinhos
Casarões, Sta. Maria
7100-078 Estremoz
Tel: 268.322.221
Fax: 268.333.717

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

No meu copo 261 - .Beb Premium 2007; Herdade do Paço do Conde Reserva 2005; Restaurante São Rosas (Estremoz)



Um destes fins-de-semana juntaram-se três convivas para uma incursão a Estremoz, com o objectivo de visitar o Monte Seis Reis aproveitando um «voucher» que possibilitava uma prova grátis. Mas o pretexto foi, obviamente, aproveitado para complementar o passeio com um bom repasto na zona. Hipóteses eram várias, desde fazer um desvio por Évora para ir almoçar ao Fialho, ou seguir para São Manços para nos deliciarmos com um arroz de lebre no Chico, mas isso implicava um trajecto mais demorado, pelo que decidimos seguir directos a Estremoz. Nesse caso havia ainda a possibilidade de parar em Arraiolos, mas a escolha acabou por recair no São Rosas, que eu já tinha visitado há cerca de dois anos, no regresso de uma permanência de três meses em Portalegre.

Como se comprovou, a escolha não poderia ter sido melhor. O São Rosas voltou a mostrar o nível de excelência que eu lhe tinha descortinado na anterior visita. Serviço impecável, rápido, eficiente, atencioso, sem falhas. Dois ou três funcionários revezando-se para o serviço de mesa e um especificamente para o serviço de vinhos, que não se coíbe de aconselhar, sugerir e trocar impressões com os clientes. E, desta vez, até fomos recebidos pela própria Margarida Cabaço, proprietária e criadora daquele espaço.

A primeira dificuldade prendeu-se com a escolha do almoço, dada a variedade de opções. Resolvemos fazer uma partilha de pratos, começando por uma tarte de perdiz, a que seguiram umas migas com entrecosto e, já com o estômago quase cheio, umas burras estufadas. Difícil dizer qual estava melhor, tão boa era a confecção de todos. O erro aqui foi ter pedido três pratos e não apenas dois, pois com a «vaquinha» efectuada acabámos por ficar mais fartos devido à mistura de pratos e à espera entre eles.

Para o final, já bem saciados, apenas se pediu uma encharcada para sobremesa que foi dividida entre dois dos comensais.

Quanto aos líquidos, tendo eu provado na anterior visita um vinho de Tiago Cabaço, filho da proprietária do restaurante, de nome .Com, deparámos agora com um outro na prateleira chamado .Beb 2007, um patamar acima. Não deslustrou. É um vinho jovem, com um aroma predominantemente frutado, corpo médio e um final algo discreto. Tem uma designação original, aliás como os irmãos .Com e Blog, o último dos quais parece ser o topo de gama da marca. Rótulo e contra-rótulo apresentam um design clean. Tudo ali anda, pois, de mão dada, o carácter do vinho e a roupa exterior da garrafa. Um vinho que, não sendo brilhante, é honesto e não defrauda. Terminada a primeira garrafa, a dificuldade de escolha da segunda. Encontrámos na carta uma das nossas paixões, um Sogrape Reserva, escolha desde logo secundada por outro dos convivas, mas infelizmente o escanção não encontrou as garrafas, pelo que acabámos por experimentar, por sugestão do mesmo, um Herdade do Paço do Conde Reserva 2005. Um vinho produzido próximo de Beja, na zona de Baleizão (a terra onde Catarina Eufémia foi morta por um tenente da GNR em 1954). Este mostrou-se mais complexo do que o anterior, com aromas mais profundos, um outro corpo e outra persistência na boca.

No final, saímos plenamente satisfeitos com o magnífico repasto que nos foi proporcionado, por um preço que, não sendo barato, não escandaliza e faz pleno jus à qualidade da casa. Não correrei o risco de errar de forma escandalosa se disser que este deve ser um dos melhores restaurantes do país.

Saídos do restaurante, depois de desfrutarmos um pouco da amenidade da tarde e da paisagem que se avista do castelo de Estremoz, rumámos finalmente ao Monte Seis Reis para a aguardada visita às instalações seguida da prova de vinhos. Mas aí a história já foi outra.

Kroniketas, com Politikos, gastrónomos de barriga cheia

Vinho: .beb Premium 2007 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Tiago Cabaço
Grau alcoólico: 14%
Castas: Cabernet Sauvignon, Syrah, Alicante Bouschet, Touriga Nacional
Preço em feira de vinhos: 7,45 €
Nota (0 a 10): 7

Vinho: Herdade Paço do Conde Reserva 2005 (T)
Região: Alentejo (Beja)
Produtor: Sociedade Agrícola Encosta do Guadiana
Grau alcoólico: 14%
Castas: Syrah, Touriga Nacional, Alicante Bouschet
Preço no restaurante: 17 €
Nota (0 a 10): 7,5

Restaurante: São Rosas
Nota (0 a 5): 5