quarta-feira, 30 de abril de 2008

Krónikas do Alto Alentejo (XX)

No meu copo, na minha mesa 176 - Pedra Basta 2005; Monte da Penha Reserva 2003; Restaurante Sever (Portagem - Marvão)




Não foi a minha última incursão gastronómica em Portalegre, mas foi o último local visitado: o Sever, num lugar chamado Portagem, a caminho de Marvão, cá em baixo no sopé da serra com um rio a embelezar a paisagem. Tinha-me sido muito recomendado principalmente pelos grelhados, mas preferi avançar para pratos mais tradicionais. E que pratos...

Enquanto se esperava, foram servidos uns deliciosos tortulhos (uma espécie de cogumelos) e uma omeleta de espargos, qual deles o melhor. Isto foi-nos aguçando o apetite para o que vinha aí. E o que vinha aí era nem mais nem menos que um coelho bravo com míscaros e o inevitável arroz de lebre. Simplesmente divinais! O arroz de lebre malandrinho, como convém, claramente melhor que o do Tomba Lobos. Dos melhores que já comi. Nas sobremesas escolhi desta vez uma mousse de chocolate que fez bem o seu papel.

Quanto aos vinhos, mantendo o princípio seguido ao longo desta estada, escolhi os da região e mais dois que não conhecia. Comecei pelo Pedra Basta 2005, o outro vinho de Rui Reguniga, em parceria com Richard Mayson na Quinta do Centro, que não tinha tido oportunidade de provar no Tomba Lobos quando provei o Terrenus. Não me convenceu. Este, ao contrário do Terrenus, é o tal vinho moderno e de estilo europeu. Achei-o algo agressivo, demasiado adstringente, mais uma vez com excesso de álcool que o torna francamente cansativo. Se achei que o Terrenus é para repetir, este achei que é para esquecer.

Em seguida experimentei o Monte da Penha Reserva 2003, de Francisco Fino, um dos ex-proprietários da Tapada do Chaves. Também não me convenceu. Por um lado achei-o algo delgado de corpo e ao mesmo tempo demasiado marcado pela madeira, que se sobrepõe aos aromas. Um conjunto algo desequilibrado.

No fim, como remate do serão ainda nos foi oferecido pelo dono um brandy espanhol de nome Luís Felipe. Nunca fui apreciador deste tipo de bebidas, mas dados os encómios que lhe foram feitos lá experimentei. Este quase levanta um morto. O aroma não pode ser aspirado, porque quase nos queima o nariz: é meter à boca e beber de um trago. Depois ficam ali os vapores que nunca mais se vão embora. A cor é parecida com o estanho, com o bordo quase a parecer queimado. De facto nunca tinha visto igual. Acredito que para os aficionados deve ser uma bebida magnífica.

Em suma, uma refeição soberba regada por dois vinhos que não se mostraram à altura de tão deliciosos pitéus. Mas o local vale bem a pena. Um espaço amplo, arejado, num local aprazível (gostava de lá voltar de dia e com bom tempo, ao contrário da noite fria de Inverno em que lá fui) e com um serviço impecável. Excelente!

Kroniketas, enófilo itinerante

Vinho: Pedra Basta 2005 (T)
Região: Alentejo (Portalegre)
Produtor: Sonho Lusitano Vinhos
Grau alcoólico: 14,5%
Castas: Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon
Preço no restaurante: 19,50 €
Nota (0 a 10): 4

Vinho: Monte da Penha Reserva 2003 (T)
Região: Alentejo (Portalegre)
Produtor: Francisco Fino
Grau alcoólico: 13%
Castas: Alicante Bouschet, Aragonês, Trincadeira
Preço no restaurante: 25 €
Nota (0 a 10): 4,5

Restaurante: Sever
Portagem - Marvão
7330-347 São Salvador de Aramenha
Telef: 245.993.318
Preço por refeição: 37 €
Nota (0 a 5): 5

domingo, 27 de abril de 2008

No meu copo 175 - Quinta de São Francisco branco 2005

Os vinhos da Estremadura eram até aos anos 90 sinónimo de vinho a granel, de muita produção e pouca qualidade. Quando comecei a apreciar vinhos com mais atenção rapidamente me apercebi que era uma região a evitar.

Com a alteração das denominações de origem nos últimos anos dessa década, em que foi criada uma quantidade significativa de novas regiões com Indicação de Proveniência Regulamentada (IPR) e as regiões demarcadas já instituídas, como o Douro, o Dão, a Bairrada, Colares, Bucelas, entre outras, passaram a ter Denominação de Origem Controlada (DOC), diversas sub-regiões na Estremadura, no Ribatejo e no Alentejo adquiriram um novo estatuto para a produção de VQPRD (Vinho de Qualidade Produzido em Região Determinada), passando por um período de afirmação de qualidade após o qual poderiam aspirar a ascender ao estatuto de DOC.

E foi assim que, a par com um aumento significativo da área de vinha plantada em várias regiões, se assistiu ao aparecimento duma nova fornada de vinhos certificados que fizeram subir gradualmente (e significativamente) a qualidade dos produtos lançados para o mercado. As regiões onde, porventura, mais se assistiu a uma maior viragem na imagem do produto foram precisamente o Ribatejo (mais conotado com o carrascão dos garrafões de 5 litros) e a Estremadura.

Embora ainda haja algum caminho a percorrer para afirmar definitivamente o prestígio destas regiões junto do consumidor, é possível encontrar algumas marcas já com garantia de qualidade. É o caso, entre outros,  da Casa Cadaval, da Fiúza e da Quinta da Alorna, no Ribatejo, ou da Quinta do Monte d’Oiro e da Quinta de Pancas, na Estremadura, e esta de que agora falamos, a Companhia Agrícola do Sanguinhal, com sede no concelho de Bombarral.

Fundada nos anos vinte por Abel Pereira da Fonseca, que em 1937 transformou a empresa em sociedade por quotas, e propriedade actual dos seus descendentes, a Companhia Agrícola do Sanguinhal produz 60 milhões de litros por ano e explora três quintas na região DOC de Óbidos, num total de 8 mil hectares: a Quinta do Sanguinhal, a Quinta das Cerejeiras e a Quinta de São Francisco (informação disponível no site da empresa).

Foi da Quinta de São Francisco, com 50 hectares de vinha situada no concelho de Cadaval, que tive oportunidade de provar um branco (a minha memória de brancos desta região remonta a um Gaeiras), depois de há precisamente um ano ter provado o Quinta de São Francisco tinto e de já ter provado também um tinto Quinta do Sanguinhal. Este branco de 2005 revelou-se com uma cor citrina e aroma entre o floral e o frutado, sendo suave na prova de boca e medianamente encorpado. Não sendo muito exuberante nos aromas, é um vinho que se bebe com muito agrado e que fará muito boa companhia a pratos delicados de peixe, um vinho guloso que se bebe sem dar por isso, no que é ajudado pelo seu grau alcoólico moderado.

Fiquei convencido com este Quinta de São Francisco branco, que a juntar às provas anteriores me desperta a atenção para provar mais vinhos desta casa.

Teve entrada directa para as nossas escolhas.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Quinta de São Francisco 2005 (B)
Região: Estremadura (Óbidos)
Produtor: Companhia Agrícola do Sanguinhal
Grau alcoólico: 12,5%
Castas: Vital, Fernão Pires
Preço em feira de vinhos: 2,45 €
Nota (0 a 10): 7,5

sexta-feira, 25 de abril de 2008

25-ABRIL-2008



L I B E R D A D E !

Usem-na bem porque custou muito a ganhar.

tuguinho e Kroniketas, de cravo vermelho ao peito

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Krónikas do Alto Alentejo (XIX)

Herdade das Servas

No meu copo 174 - Monte das Servas 2003






O trabalho anda um bocado atrasado, mas ainda há umas Krónikas do Alto Alentejo para postar. Na última fase da minha estada em Portalegre fiz umas incursões mais para sul, para a zona de Estremoz. Uma delas foi uma visita à Herdade das Servas, junto à estrada entre Estremoz e Arraiolos, à porta da qual passava todas as semanas.

A Herdade das Servas é um produtor recente mas antigo. Segundo o testemunho de duas talhas de barro que há por lá, já se faz vinho no local há cerca de 400 anos (1667 é a data apontada), mas este nome começou a tornar-se conhecido no mercado há menos de uma década. Uma vez bebi um vinho com o nome Monte das Servas que me surpreendeu muito agradavelmente, ainda muito antes da onda recente dos vinhos hiperconcentrados e hiperalcoólicos. Era um alentejano robusto e encorpado ao melhor estilo dos tintos alentejanos tradicionais. Há poucos meses tive oportunidade de voltar a provar um desse tempo, da colheita de 2003, com apenas 13,5% de grau alcoólico, um daqueles de perfil antigo. Tinha cor rubi escura, aroma de frutos vermelhos, bem estruturado na boca e com boa persistência. Deve ter sido o último deste género que pude provar. Agora há uma gama alargada de vinhos que cobrem os vários patamares de gostos e preços, desde vinhos de consumo diário até Reservas e monocastas, e este Monte das Servas adquiriu a designação adicional de “Colheita seleccionada”.

Propriedade da família Serrano Mira, a Herdade das Servas conta actualmente com 200 hectares de vinha em mais do que uma localização, tendo mais 45 hectares novos que ainda não começaram a produzir. A produção situa-se em média por volta das 600.000 garrafas por ano, sendo a enologia supervisionada por Luís Duarte, um dos enólogos com várias consultorias no Alentejo, entre as quais conta a Herdade dos Grous e a Herdade da Malhadinha Nova. Todas as uvas colhidas são propriedade da Herdade e transportadas directamente para vinificação na adega.

Sob a orientação da engenheira Ana Margarida, tive a possibilidade de percorrer todas as instalações da adega, desde a zona de vinificação e engarrafamento e a adega, no piso inferior, até à loja, laboratório, sala de provas e as salas destinadas a refeições onde podem também ser realizados outros eventos como casamentos, baptizados e congressos ou conferências, havendo mesmo um auditório para o efeito. Prevista não está, para já, a existência de alojamentos.

A vinha principal situa-se numa extensa área à volta do edifício donde se avista a planície a sul de Estremoz, dominada pelo castelo lá no cimo do monte.

Tive ainda a oportunidade de trocar algumas impressões com Luís Serrano Mira, um dos donos e um dos irmãos que tomaram conta da Herdade, que me expressou a sua intenção de manter sempre a qualidade dos seus vinhos como principal objectivo a alcançar. Exemplo disso é a não produção do excelente Herdade das Servas Aragonês desde a colheita de 2004, por se considerar que a casta não voltou a reunir as qualidades necessárias para os requisitos do vinho, o que é um bom indicador dos critérios de exigência que os produtores impõem a si próprios.

Assim continuem, e que continuem a produzir bons vinhos como até aqui é o que se deseja.

Kroniketas, enófilo viajante

Produtor: Herdade das Servas
Apartado 286
7101-909 Estremoz

Vinho: Monte das Servas 2003 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Grau alcoólico: 13,5%
Nota (0 a 10): 7,5

segunda-feira, 21 de abril de 2008

No meu copo, na minha mesa 173 - Ensaios Filipa Pato 2006; Soberana 2004; Restaurante Casa da Dízima (Paço d'Arcos)




O centro histórico de Paço de Arcos organiza-se em torno de dois pólos: os antigos Fornos da Cal e a Rua Costa Pinto, que praticamente liga os citados fornos à zona do antigo porto fluvial, no término da qual também se encontra o Palácio dos Arcos e a antiga casa da alfândega que ao tempo cobrava impostos sobre as mercadorias que por ali passavam.

A Rua Costa Pinto actual, bem como a zona histórica envolvente, foi toda recuperada, ganhou novo empedrado e deixou de ter edifícios degradados. Mas já antes era conhecida por ter muitos restaurantes, tradição que mantém e que até foi reforçada com a abertura há alguns (poucos) anos da Casa da Dízima, restaurante que se acoita entre as paredes do antigo edifício da alfândega, e que manteve tudo o que podia da antiga edificação, o que concedeu um ambiente sui-generis à casa.

Foi nele que fomos cair num sábado à noite, as Krónikas Viníkolas completas e um compincha semi-ocasional. Dispensadas as entradas, porque dois terços dos amesendados vinham directos de uma prova de vinhos em Sintra, passou-se à escolha dos pratos principais e dos vinhos.

Eu, que não vinha de prova nenhuma e já conhecia o restaurante, tentei orientar um pouco os companheiros de mesa, mas nem precisava porque o serviço, além de eficiente, é conhecedor.

Os pratos vêm apresentados com esmero, mas não tão armados que nos impeçam de os comer (os conteúdos, não os pratos), e tanto a carne de novilho de um, como a caça de outro e o bacalhau do terceiro se mostraram saborosos e bem confeccionados. O lombo de novilho foi servido acolitado por esparregado, legumes salteados e ligeiramente glaceados, queijo da serra derretido num chapeuzinho folhado e batata frita em palha (sempre incómoda de comer sem usar as mãozinhas...).

A codorniz recheada com alheira e acompanhada de puré também com um ligeiro aroma a alheira e grelos atados num molho estava excelente, tenra e saborosa, ainda por cima já desossada. O bacalhau apresentou-se inserido num folhado, guarnecido com camarões e acompanhado por cenouras. Excelente aroma e uma combinação de sabores menos habitual tornam o prato invulgar e apetecível.

Para a sobremesa só as Krónikas se apresentaram à chamada, tendo deglutido em uníssono um petit gâteau de chocolate (sólido por fora, líquido por dentro) morninho, confrontado com uma bola de gelado de menta.

Passemos aos líquidos. Já se sabe que em antros de restauração a moderação tem de imperar, não tanto por motivos mais nobres, mas mais por motivos financeiros. Resolvemos começar por um Bairrada dos modernos, para ver o que a filha de Luís Pato andaria a congeminar por aquelas bandas (sim, nós sabemos que o vinho é Regional Beiras; também os do pai o foram durante vários anos por causa das restrições da região, supomos que os da filha ainda o sejam por causa desse passado recente). O Ensaios Filipa Pato 2006 mostrou-se aberto, frutado, de taninos quase ausentes e cor violácea, corpo mediano para o delgado e gritava “bebei-me que fui feito para beber já e agradar a palatos cosmopolitas” – de Bairrada não vimos lá nada, de Baga quase também não porque além dessa casta o grosso do vinho era Touriga Nacional e Alfrocheiro. Não se pense que o vinho era mau! Até se mostrou bastante agradável e decididamente está bem feito mas pronto, nós esperávamos que fosse Bairrada...

Sinceramente, não sei se será por este caminho que os vinhos desta zona devem seguir, agora que se pode fazer quase tudo, desde que ainda seja vinho. Desde a ditadura da casta Baga até à quase total arbitrariedade na utilização de qualquer casta, passou-se do 8 para o 80 e hoje em dia ser um vinho da Bairrada pode não querer dizer absolutamente nada. Dizem por aí que os da casta Baga passaram a ter a denominação “Bairrada clássico”, mas a verdade é que até agora não os tenho visto. Quem gosta dos verdadeiros Bairradas não é com estes que se vai encantar, e quem não gostava dos outros também não vai ficar a saber o que é a Bairrada com os novos.

Para segundo vinho deslocámo-nos para sul, ainda nas Terras do Sado mas já a tresandar Alentejo por todo o lado. Estamos a falar do Torrão, ainda em pleno Alentejo e do Soberana 2004, marca intermédia do produtor, que já tínhamos tido a hipótese de provar há poucas semanas. Mais uma vez as questões burocráticas em que o nosso país é fértil obrigam-no a surgir com a denominação de Regional Terras do Sado, à semelhança do que já tinha acontecido com o Pinheiro da Cruz. Qualquer semelhança com os vinhos das Terras do Sado é mera coincidência.

Não há dúvida que é um grande vinho e merece bem os encómios que as revistas da especialidade lhe têm dedicado. Como referimos há algumas semanas, foi um dos destaques da Blue Wine no seu top 100 relativo a 2007. Confirmou o que já nos mostrara antes, um belo corpo e aromas complexos, um fundo leve de couro tanto no aroma como no sabor, cor profunda, final de boca longo e taninos ainda pungentes, apesar de dobrados. Um excelente trabalho de Paulo Laureano, num vinho que não será fácil para o iniciado mas que indicia uma provável boa evolução nos próximos tempos, apesar de já estar mais que bebível. É sempre a velha questão de qual será a melhor altura para os beber...

Também nesta área o serviço é atencioso, sem ser aborrecido, e sabedor do que sugerir e daquilo que tem na garrafeira. Tomáramos nós que fosse assim nos outros restaurantes!

Concluindo, boa comida, bons vinhos e bom serviço. Pois, não é barato mas também não é nenhum roubo, tendo em conta tudo o que mencionámos antes.

tuguinho, enófilo esforçado

Vinho: Ensaios Filipa Pato 2006 (T)
Região: Regional Beiras
Produtor: Filipa Pato
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Baga, Alfrocheiro, Touriga Nacional
Preço em hipermercado: 7,50 €
Nota (0 a 10): 7

Vinho: Soberana 2004 (T)
Região: Terras do Sado (Torrão)
Produtor: Sociedade Agro-Pecuária das Soberanas
Grau alcoólico: 14,5%
Castas: Aragonês, Trincadeira, Alicante Bouschet, Alfrocheiro
Preço em hipermercado: 15 €
Nota (0 a 10): 8,5

Restaurante: Casa da Dízima
Rua Costa Pinto, 17
2770-046 Paço de Arcos
Tel: 21.446.29.65
Preço por refeição: 40 €
Nota (0 a 5): 4,5

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Na Wine O’Clock 2 - Com a Sogrape (Quinta dos Carvalhais)

Ultimamente temos andado numa de provas quando a ocasião se proporciona. No último sábado voltei a deslocar-me à Wine O’Clock de Lisboa, acompanhado do Politikos, para uma prova de vinhos da Quinta dos Carvalhais com a Sogrape. Há algumas semanas já tínhamos tido a oportunidade de participar numa prova com vinhos da Herdade do Peso. Agora a expectativa era um pouco maior porque a Quinta dos Carvalhais é quase um ex-libris da Sogrape e foi uma espécie de motor da reabilitação dos vinhos do Dão. Aí tive o prazer de reencontrar, mais de um ano depois, o nosso comparsa Pedro Rafael Barata, do blog Os Vinhos, que foi ficando por ali ao pé de nós durante a prova.

Há uns 10 anos conhecíamos dois vinhos da Sogrape no Dão: o Reserva e o Pipas, que entretanto foram sendo substituídos pela nova marca Quinta dos Carvalhais, só restando por aí à venda alguns exemplares dos antigos vinhos em locais esparsos. Agora há uma gama alargada de brancos, tintos e espumantes, que vão desde os vinhos para consumo imediato até aos reservas de grande qualidade.

Esta prova da Quinta dos Carvalhais começou com dois brancos, o Duque de Viseu e o Quinta dos Carvalhais Encruzado. Ambos mostraram alguma elegância e um ligeiro aroma floral, embora o Encruzado com um perfil um pouco mais austero e a mostrar-se capaz de ter alguma longevidade e bater-se com pratos com alguma pujança, características que lhe são conferidas pelo estágio em madeira.

Passando aos tintos, começámos pelo Quinta dos Carvalhais Colheita, seguindo-se três varietais (Alfrocheiro, Tinta Roriz e Touriga Nacional), sendo que o Alfrocheiro foi o que mais nos surpreendeu, voltando a mostrar, à semelhança das últimas provas, uma intensidade que não lhe tem sido reconhecida na generalidade das regiões. Parece-me ser uma casta injustamente mal-amada ou porventura não suficientemente valorizada. Após 4 tintos, chegou o Reserva de 2000, já um vinho para altos voos e ainda com uma frescura assinalável para a idade, para terminarmos com uma revelação que deixou todos os presentes rendidos: uma colheita única de 2005 que recebeu o nome de... Único. Difícil descrever o perfil deste vinho, mas uma palavra nos ocorre à mente: fabuloso! Com algumas notas licorosas no primeiro ataque aromático, para depois se abrir num perfume de frutos, flores, compotas, uma explosão de aromas e sabores que motivaram do Politikos o comentário de que daria um grande Vintage!

De facto, este Único fez lembrar os melhores vinhos do Porto que já tive oportunidade de provar, e sugeriu-me que, se a Sogrape pretende criar nos Carvalhais uma espécie de Barca Velha do Dão, este Único parece ser o predestinado para lá chegar. Assim tenha longevidade para tanto, mas o potencial parece estar lá todo.

No final da prova, ao compararmos os aromas que foram ficando nos copos, verificámos que o Reserva tinha desaparecido ao pé do Único. É o que nos ajuda a distinguir os vinhos excelentes dos sublimes. Este Único, de facto, é Único! Oxalá possa vir a deixar de ser o único produzido na Quinta dos Carvalhais.

E assim ficámos de apetite aguçado para a prova que se seguirá dentro de algumas semanas com os vinhos da Casa Ferreirinha. Lá estaremos seguramente. Obrigado à Wine O’Clock por estes momentos magníficos que nos tem proporcionado.

Kroniketas, enófilo embevecido

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Na Wine O’Clock 1 - Com João Nicolau de Almeida

O maestro do Douro


Tendo feito o registo no site da Wine O’Clock, agora recebo a newsletter que me informa dos eventos que vão ocorrendo. Um destes dias tive oportunidade de participar numa prova na loja de Lisboa com João Nicolau de Almeida, enólogo e administrador da Ramos Pinto, o “maestro do Douro” segundo a newsletter. Uma oportunidade que não podia perder.

Foi cerca de uma hora e meia de conversa à volta do copo e da garrafa, onde João Nicolau de Almeida (JNA) falou da sua experiência familiar, pessoal e profissional ligada ao mundo do vinho. Falou do pai, do irmão gémeo que vive em França, da sua própria formação em França, da Quinta da Ervamoira e da barragem que não se fez, dos vinhos que faz e dos que gosta.

Os lugares destinados àqueles que fizeram reserva (12) estavam todos ocupados e ainda havia mais alguns participantes de pé. Segundo Carlos Jorge, gerente da loja, foi uma das provas mais concorridas até hoje, sinal de que o nome do convidado “mexe com as pessoas”. Pelo meio fomos provando uns copos que nos eram servidos pelo anfitrião, com os rótulos das garrafas tapados.

Começámos por provar um branco, que JNA desde logo identificou como sendo do norte da Europa, dadas as suas características bem marcadas de acidez com alguma doçura, difíceis de encontrar em Portugal, mesmo nas regiões mais frias. Fomos tentando, em conjunto, descobrir que castas conteria o vinho e de que região seria. Falou-se em Riesling, Gewürztraminer, Chardonnay e Sauvignon Blanc, sendo que nenhuma delas se enquadrava no perfil do vinho. JNA ainda falou em Pinot Noir e Pinot Gris, de passagem. Falou-se da Alsácia e da Alemanha. Quando a garrafa foi revelada, descobrimos que era mesmo Pinot Gris... da Alsácia. Veuve Roth, Pinot Gris 2006. Um grande branco à venda na loja por apenas 7,50 €!

Seguiram-se dois tintos, de novo em prova cega. O primeiro desde logo revelou um perfil que pareceu não ser muito português. Por tentativas chegámos lá: alguém sugeriu que seria de Espanha. Depois a região: pareceu-me ser Ribera del Duero. Alguém sugeriu ter Cabernet, mas parecia mais Tempranillo. E de facto assim era. Quando se destapou o rótulo, a grande surpresa de se descobrir o mito dos vinhos espanhóis: um Vega Sicília Valbuena 5º de 2002! Curioso não ter feito os encantos de ninguém. Quando nos perguntaram quanto daríamos por aquele vinho, ninguém pareceu querer abrir os cordões à bolsa, mas o preço de referência era 98 €!

Ainda com este vinho no copo foi servido o segundo tinto, para podermos comparar. Um perfil muito mais concentrado, que no primeiro cheiro me pareceu exalar alguns aromas de vinho do Porto. Aos poucos foi-se libertando e revelando uma grande persistência. Depressa se percebeu ser um vinho eminentemente gastronómico, e JNA disse que com um belo bife marcharia na perfeição. Ficámos cientes de estar perante um grande vinho, que merecia ser decantado. Quando se destapou a garrafa, a grande surpresa que Carlos Jorge tinha prometido: era um Duas Quintas Reserva Especial 2003, um vinho que nem o próprio João Nicolau de Almeida identificou às cegas e que mereceu a explicação de tentar fazer um vinho com os mesmos métodos usados para o vinho do Porto, que só será produzido... quando calhar. Preço de venda: 68 €.

Foi uma prova muito interessante, pelos vinhos provados e pelo convidado, uma figura incontornável do panorama vitivinícola nacional, onde se falou de vinho e do prazer que esta bebida nos pode proporcionar. E não foi preciso falar de aromas balsâmicos ou notas de torrefacção com aparas de chocolate preto e bolacha Maria...

Kroniketas, enófilo embevecido

terça-feira, 1 de abril de 2008

Krónikas do Alto Alentejo (XVIII)

Na minha mesa 172 - O Álvaro (Urra)




Esta foi outra visita quase de última hora a um dos locais recomendados na zona de Portalegre. A localidade da Urra fica a cerca de 10 km para sul e numa praça da rua principal fica o Álvaro. Começou por ser uma casa de petiscos que foi ganhando fama e clientes até se afirmar como restaurante.

O espaço não é muito amplo e a entrada está separada da sala de refeições. Na ementa estava recomendado o lacão assado, uma espécie de pernil de porco, e foi essa a escolha. Veio acompanhado com ovo mexido e batatas às rodelas, numa dose generosa perfeitamente adequada para duas pessoas. Para sobremesa optou-se por uma mousse de chocolate que não desmereceu.

Em destaque estava o vinho do mês, que já aqui elogiámos, o excelente Casa de Alegrete, e foi a escolha óbvia. Mais uma vez saiu-se a preceito da função e correspondeu às expectativas.

Não sendo a última maravilha ao cimo da terra, foi uma boa refeição, que contudo não pode ombrear com outras servidas noutros locais. Talvez o Álvaro continue a ser mais vocacionado para os petiscos, embora como restaurante não desagrade. O preço também não choca, aliás foi mais caro o vinho (15 €) que o prato (9,5 €).

Kroniketas, enófilo itinerante

Vinho: Casa de Alegrete 2005 (T)

Restaurante: O Álvaro
Largo Capitão António Manuel Simão Redondo, 58
7300-589 Urra
Telef: 245.382.283
Preço por refeição: 17,5 €
Nota (0 a 5): 3