quinta-feira, 1 de junho de 2006

Na minha mesa 48 - Adega da Tia Matilde (Lisboa)



Um clássico de Lisboa, situado ali nas proximidades do antigo apeadeiro do Rego. Espaço amplo, com várias zonas separadas, bar com sala de espera, vários balcões com sobremesas nos locais de circulação e, mais recentemente, garagem subterrânea que facilita bastante num local onde o espaço para estacionamento não abunda. Mais importante ainda, um local de tradição benfiquista, a começar pelo dono.

A oferta é variada, com peixes, mariscos, bacalhau, caça, cabrito, etc. A dificuldade está na escolha. Os preços é que não são nada meigos.

Num grupo de 7 pessoas, escolheu-se para começar uma caldeirada e depois um cabrito no forno com arroz de miúdos. Ambos em doses q. b. e com bom paladar. Antes, para entreter, umas pataniscas de bacalhau muito tenras e ainda quentinhas. O presunto à disposição é que não convenceu: muito seco e com ar de velho.

Para regar a refeição, deparámo-nos com o tradicional problema dos restaurantes portugueses: preços exorbitantes para a maioria dos vinhos. Difícil é encontrar um vinho a preço aceitável. Sugestionado por uma recente apreciação do tuguinho, sugeri um Quinta dos Aciprestes 2003, a 14 €, que colheu o agrado dos presentes. Corroborando a apreciação já anteriormente apresentada, quero acrescentar que se apresentou ainda fechado, com os aromas um pouco escondidos e uma ligeira adstringência que mostram estarmos perante um vinho com todos os sinais de juventude bem presentes e que, seguramente, irá melhorar com mais uns anos na garrafa. Tem todas as condições para desenvolver aromas mais exuberantes, tornando-se também mais macio. É sem dúvida um vinho a rever... depois de termos umas garrafas guardadas na garrafeira durante uns 3 ou 4 anos.

De notar ainda que foi necessário pedir para refrescar o vinho, pois estava com temperatura excessiva, outra pecha habitual em Portugal quando se aproxima o tempo quente.

Nas sobremesas as opções também são variadas embora dentro da normalidade, sendo o mais original uma tranche de maçã que tinha forma de pudim.

O serviço é eficaz e atencioso, com muita gente sempre com atenção às mesas. Só na conta é que fomos surpreendidos, ao deparar com um montante de 38 € por cabeça. Já se sabe como é: sem restrição nas entradas a conta dispara. Os próprios pratos escolhidos também foram mais caros do que se esperava. Ou seja, é um restaurante onde se come bem e onde vale a pena ir, mas olhe bem para a coluna dos preços quando escolher, para não ser apanhado de surpresa no fim.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Quinta dos Aciprestes 2003

Restaurante: Adega da Tia Matilde
Rua da Beneficência, 77
1600-017 Lisboa
Tel: 21.797.21.72
Preço médio por refeição: 35 €
Nota (0 a 5): 4